04/07/2017

Bancada de MS define seis projetos como prioridade no Orçamento de 2018

Parlamentares se reuniram para definir investimentos ao orçamento de 2018. Parlamentares se reuniram para definir investimentos ao orçamento de 2018. Foto: Luís Carlos Campos Sales / ACS Moka

A bancada federal de Mato Grosso do Sul definiu nesta terça-feira (4), em Brasília, seis emendas à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2018. A LDO é ferramenta orçamentária que estabelece as metas e prioridades para o próximo ano. 

Participaram da reunião no gabinete do senador Waldemir Moka (PMDB), coordenador da bancada, os senadores Simone Tebet (PMDB) e Pedro Chaves (PSC), além dos deputados Vander Loubet (PT), Dagoberto Nogueira (PDT) e Geraldo Resende (PSDB).

Entre as prioridades está a construção do trecho de rodovia da BR-419, que liga a BR-163, em Rio Verde, a BR-262, em Aquidauana. Outro projeto considerado importante para o Estado é a continuação das obras de pavimentação da MS-165 (Sul Fronteira), que interliga vários municípios na fronteira com o Paraguai, como Sete Quedas, Paranhos, Coronel Sapucaia, Aral Moreira, Mundo Novo, Japorã e Ponta Porã.

O senador Moka diz que a bancada também definiu como meta prioritária no Orçamento de 2018 recursos para reestruturação do Hospital Universitário da Grande Dourados. O senador argumenta que a região reúne cerca de 800 mil habitantes. “Dourados é referência na região na oferta de serviços públicos para 34 municípios”, explica.

Senadores e deputados também garantiram emenda para o corredor bioceânico. O projeto terá início em Porto Murtinho, em Mato Grosso do Sul, cruzará Carmelo Peralta, no Paraguai, atravessará o território argentino por meio das cidades de Misión La Paz, Tartagal e outras, chegando em Passo de Jama, no Chile, até alcançar os portos de Autofagasta, Mejillones e Iquique.

Outro projeto que constará da LDO do próximo ano é o que prevê a construção de espaço para o Curso de Veterinária, no Campus de Paranaíba. Moka diz que a universidade já dispõe de área recebida em doação. “Falta agora dinheiro para construir salas, laboratórios, almoxarifado e centro de cirurgias para animais. É uma prioridade”, reforça.

A última emenda aprovada pela bancada é que a prevê a destinação de recursos para implementação do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteira (Sisfron). A tecnologia ajudará o Exercito a fazer o controle contínuo e permanente de áreas de interesse nacional, como as fronteiras com Paraguai e Bolívia.

Ouça